Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência

Compartilhar

 

Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática parlamentar para impedi-lo.

O tema veio a público durante seminário organizado em conjunto pelas Bancadas e pela direção nacional do PT, em Brasília, com o intuito de subsidiar nossa militância para o debate e enfrentamento da “reforma” em suas cidades. A questão posta, que abordo aqui em caráter pessoal, visto que nem a CEN ou as Bancadas deliberaram a respeito, é se devemos ou não propor emendas ao monstrengo do governo usurpador.

É trivial, na atividade parlamentar, apresentar emendas aditivas, supressivas, modificativas e, mesmo, substitutivos integrais a projetos de autoria de parlamentares ou de outros poderes da República. Por que, então, a dúvida?

Trata-se, a meu ver, de uma impossibilidade de emendar para tornar “menos pior” o que os golpistas engendraram. Além do que, a abertura de negociações agora, sem que os principais interessados, nos movimentos e entidades, se disponham a isso até o momento, seria arrefecer as pressões, aliviar as vacilações de parlamentares da base governista em contradição com a proposta e preocupados com o descontentamento de seu eleitorado.

Por isso, as emendas da oposição deveriam ir na linha de suprimir os pilares da proposta do governo ilegítimo, aquelas que cancelam direitos e criam novas obrigações. Cumpririam, também, o papel de alongar o debate, retardar os prazos curtíssimos da votação pretendida, favorecendo um debate mais amplo com a população e no interior do Congresso.

Aos que cobram alternativas para uma Previdência mais sustentável que a atual, vale lembrar o período do governo Lula — quando não se contestava o sistema de seguridade –, e sugerir, entre outras providências: 1. Combater o desemprego e gerar novos empregos com carteira assinada, pois assim aumentariam as receitas da Previdência; 2. Aumentar o salário–mínimo e os demais salários, medida que elevaria as receitas e ativaria a demanda, estimulando a retomada da economia hoje em recessão; 3. Cobrança rigorosa das enormes dívidas dos sonegadores da Previdência; 4. Formalização de empresas que vivem à margem do sistema; Reforma tributária progressiva para taxar os grandes patrimônios e riquezas, e os ganhos hoje isentos de rentistas e especuladores.

Temos convicção de que nossa aguerrida oposição parlamentar, apoiada pelas manifestações de rua convocadas para os próximos dias, será vitoriosa contra mais esta maldade de Temer & Associados.

Rui Falcão é presidente nacional do PT

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais